21/06/15

Devaneios algarvios

Faro


Folga no fim de semana: uma excelente oportunidade para fugir à rotina e meditar sobre mim mesma. Assim foi: numa tarde quente de sexta feira enfiei-me num autocarro em sete rios e segui com rumo a Faro. Sentia-me exausta, pois na véspera tinha dormido apenas quatro horas mas sabia que o descanso estava próximo. 

Quando cheguei, reconheci de imediato o meu Padrinho e sorri. Percebi que é das melhores coisas quando vamos viajar (seja de autocarro, comboio ou avião): ter alguém à nossa espera no destino, distinguir o rosto familiar entre a multidão que também anseia pela chegada daqueles que lhes são queridos. 

E a tranquilidade começa. Há tempo para cozinhar, para passear, para escrever, para meditar, para rir. Sozinha e acompanhada. Uma das coisas que adoro nesta cidade é que em poucos minutos estou onde quero estar, enquanto que na capital teria de percorrer meio mundo nos transportes ou ficar séculos enfiada no trânsito. Deste modo, o dia rende muito mais. Na verdade, parece que o tempo aqui fica parado no "Pause" e o ritmo alucinante de Lisboa é algo longínquo. Ah, outra coisa importante: adoro o facto de poder andar de top e calções o dia todo sem ouvir um único piropo obsceno, é uma tranquilidade maravilhosa. 

Poder estar com as pessoas, rir à gargalhada, abraçar muito a minha Madrinha e ver outros amigos que me enchem o coração de alegria. Eu sei, estou a ficar muito lamechas mas é o que dá quando estamos longe do nosso dia-a-dia... ganhamos consciência, relaxamos e vemos (com olhos de ver) o que se passa dentro de nós.

Nem imaginam o quanto me custa voltar a carregar no "Play", quando regressar a Lisboa.

2 comentários:

  1. Há que aproveitar todos os instantes porque tudo passa, tudo muda.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Devaneios Lisboetas. Com tecnologia do Blogger.

Vamos devanear?

devaneioslisboetas@gmail.com

Acerca de mim

A minha foto
"Eu desejava dizer muitas coisas à rapariga que roubava livros, acerca de beleza e brutalidade. Mas o que podia eu dizer-lhe acerca dessas coisas que ela não soubesse já? Queria explicar-lhe que estou constantemente a sobrestimar e a subestimar a raça humana - que raramente me limito a estimá-la. Queria perguntar-lhe como podia a mesma coisa ser tão horrível e tão gloriosa, e as suas palavras e histórias tão nefandas e tão brilhantes", Mark Zusak em " A Rapariga que roubava livros"

Blogues à mesa

Blogging.pt

Blog Portugal

A devanear comigo