01/03/17

Era uma vez um sonho


Tudo começou com o gosto por ensinar. Tal como toda a gente, também tive a minha dose de bons e maus professores, ficando ambos na memória, por motivos diferentes, claro. O que é certo é que cada aluno tem o seu ritmo de aprendizagem, não somos todos iguais.

Há um ano atrás, julgava que não era possível e arranjava mil e um pretextos para não ir com o projecto para a frente. Era natural, porque tinha medo. Medo de falhar. Medo de não conseguir dar conta do recado. Confesso que houve ali umas semanas em que ele falou mais alto e bloqueei, até que percebi que se continuasse assim, não iria a lado nenhum. 

Meses depois, criei um site e daí nasceu o meu projecto de dar explicações, o "Mandarim sem Pauzinhos". É um projecto trabalhoso, ainda vai muito no início, mas vale a pena. Posso dizer que os meus alunos são únicos. Cada um tão diferente, mas todos com uma vontade de aprender enorme. Há coisas que não têm preço, como quando dizem que já percebem a matéria ou que "a aula passou muito depressa". Tanto em aulas presencial como via Skype :-)

Podem cuscar tudo em: www.mandarimsempauzinhos.com

5 comentários:

  1. Que ideia tão gira! Ainda bem que avançaste com o projeto :)

    ResponderEliminar
  2. Espectacular! (= vou já ver o site! E desejo-te todo o sucesso do mundo (=

    ResponderEliminar
  3. Acredito que sim... Aliás, aconteceu o mesmo comigo :D

    Uaaaau! Isso é tão altamente!!!
    Mega feliz por ti :D

    NEW REVIEW POST | All About My Concealer Collection.
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  4. Projecto incrivel!! Parabens e muita sorte =)

    ResponderEliminar

Devaneios Lisboetas. Com tecnologia do Blogger.

Vamos devanear?

devaneioslisboetas@gmail.com

Acerca de mim

A minha foto
"Eu desejava dizer muitas coisas à rapariga que roubava livros, acerca de beleza e brutalidade. Mas o que podia eu dizer-lhe acerca dessas coisas que ela não soubesse já? Queria explicar-lhe que estou constantemente a sobrestimar e a subestimar a raça humana - que raramente me limito a estimá-la. Queria perguntar-lhe como podia a mesma coisa ser tão horrível e tão gloriosa, e as suas palavras e histórias tão nefandas e tão brilhantes", Mark Zusak em " A Rapariga que roubava livros"

Blogues à mesa

Blogging.pt

Blog Portugal

A devanear comigo