02/07/17

Qual renovação celular, qual quê!


Há uns tempos tive uma conversa deveras interessante com a minha colega de casa e, às tantas ela pergunta-me: 

-Tu acreditas que és a mesma pessoa que eras quando tinhas 18 anos, fisicamente falando?" 
  
Reflecti e acenei a cabeça. Ela insistiu:  

- "Tu achas que és a mesma pessoa? As tuas células renovam-se totalmente a cada 7 anos, Catarina... sentes-te a mesma pessoa?" 

Talvez mais boazuda e sem acne, mas sim, a mesma pessoa. Dias depois, encontro uma colega que não vejo há uns anos e ela diz-me: "Estás tão diferente, rapariga!" Não sei se ela se estava a referir aos bollycaos e às outras porcarias alapadas na minha cara - sim, enquanto que as pessoas normais engordam nas ancas, no rabo ou na barriga, eu engordo no rosto, a sério! - mas deixou-me a pensar. 

A nível emocional, nem tenho palavras para descrever o quanto mudei. Aquilo que conquistei e alcancei foi... fabuloso. A nível físico, se calhar... também posso ter mudado qualquer coisa sim. Sabem, acima de tudo, estou grata pela sorte que tive. De ter caído em boas mãos, nas mãos de pessoas que me ajudaram e mudaram a minha perspectiva perante tudo.

Por aí, o que pensam? Também mudaram? :-) Contem-me tudo! 

3 comentários:

  1. P.S. - principalmente agora... espera pelos próximos episódios ;)

    ResponderEliminar
  2. Acredito que, por vezes, nem nos apercebemos de todas as mudanças que sofremos. Mas acho que é inevitável, nunca somos os mesmos que éramos há uns anos, ainda que muito de nós se mantenha.

    ResponderEliminar

Devaneios Lisboetas. Com tecnologia do Blogger.

Vamos devanear?

devaneioslisboetas@gmail.com

Acerca de mim

A minha foto
"Eu desejava dizer muitas coisas à rapariga que roubava livros, acerca de beleza e brutalidade. Mas o que podia eu dizer-lhe acerca dessas coisas que ela não soubesse já? Queria explicar-lhe que estou constantemente a sobrestimar e a subestimar a raça humana - que raramente me limito a estimá-la. Queria perguntar-lhe como podia a mesma coisa ser tão horrível e tão gloriosa, e as suas palavras e histórias tão nefandas e tão brilhantes", Mark Zusak em " A Rapariga que roubava livros"

Blogging.pt

Blog Portugal

A devanear comigo