30/08/17

Life Purpose


Saber qual o nosso propósito de vida é uma coisa, mas pô-lo em prática é outra história. Sempre disse que aquilo que fazemos profissionalmente não nos define - por vezes, há muito mais por trás duma recepcionista ou duma operadora de caixa - até descobrirmos aquilo que realmente queremos fazer da vida. 

De repente, ensinar a 4 alunos parece um anfiteatro e o medo instala-se. Sim, recentemente percebi que aquilo que mais amamos fazer pode também causar um certo nervoso miudinho, o que acaba por ser natural. 

Ao fim do dia, tudo vale a pena. Ter passado 12h fora de casa, andar carregada para trás e para a frente, ter a barriga a dar horas... nada disso importa. Tens o corpo exausto mas o espírito preenchido. De energia, de alegria. 

E por aí? Qual é o vosso propósito de vida?  Já o descobriram? :-)

5 comentários:

  1. Fazer aquilo que gostamos também é assustador, porque queremos fazê-lo da melhor forma. Assumimos um compromisso que não queremos falhar, sobretudo quando isso implica terceiros. Mas a verdade é que no final vale a pena :)

    ResponderEliminar
  2. Conheço bem esse friozinho na barriga (; fico feliz por saber que estás a fazer algo que te preenche tanto!

    ResponderEliminar
  3. Ainda não descobri, não. Tenho de procurar mais. Ahah

    ResponderEliminar
  4. Fazer aquilo que gosto e atingir todos os meus objetivos! E é para isso que trabalho todos os dias!

    Beijinhos. Faz a tua pergunta no blog para eu responder a um Q&A!
    That Girl | FACEBOOK PAGE | INSTAGRAM | TWITTER

    ResponderEliminar

Devaneios Lisboetas. Com tecnologia do Blogger.

Vamos devanear?

devaneioslisboetas@gmail.com

Acerca de mim

A minha foto
"Eu desejava dizer muitas coisas à rapariga que roubava livros, acerca de beleza e brutalidade. Mas o que podia eu dizer-lhe acerca dessas coisas que ela não soubesse já? Queria explicar-lhe que estou constantemente a sobrestimar e a subestimar a raça humana - que raramente me limito a estimá-la. Queria perguntar-lhe como podia a mesma coisa ser tão horrível e tão gloriosa, e as suas palavras e histórias tão nefandas e tão brilhantes", Mark Zusak em " A Rapariga que roubava livros"

Blogging.pt

Blog Portugal

A devanear comigo