24/10/17

Eu e a bestie... outra vez!


A minha melhor amiga fez os seus 26 anos há pouco tempo e, no aniversário dela, foi assim:

- Catarina, este é o Pedro, o Giro, lembras-te?

Esbocei um largo sorriso e lancei-lhe um olhar que dizia: "vou-te matar a seguir". Tudo porque quando vi o colega dela pela primeira vez, comentei que ele era giro. E assim ficou marcado.

- Oh, que fofinha mas acho que nunca fomos apresentados. 

Por esta altura, já as minhas faces ardiam.  

Passado um bocado apareceu a cunhada - que nunca tinha conhecido - da minha bestie. Fomos à casa-de banho e eu disse:

- Bem, a irmã do teu namorado é super elegante e bonita. Parece uma modelo!

- Pois, toda a família dele é assim.

Saímos do wc e adivinhem. Lá vai a bestie fazer das dela. Vira-se para a cunhada e diz:

- Olha a Catarina disse que tu eras linda.

Ela olhou para mim, dizendo: - Oh, que querida.  

Com uma melhor amiga assim, quem precisa daqueles familiares que contam ao mundo os momentos embaraçosos da tua infância? 

6 comentários:

  1. Isso é como andar com uma edição do Correio da Manhã ao lado: sempre a dar notícias embaraçosas =P

    ResponderEliminar
  2. Bem, era pior se não tivessem sido elogios ;P

    ResponderEliminar
  3. A tua bestie não deixa passar nada, mas, pelo menos, foram só elogios :p ahahah

    ResponderEliminar
  4. Isso.. pelo menos foram elogios e não fofocas!!!!

    ResponderEliminar
  5. A tua bestie conta tudo ahahah, é pior que os jornais ahahah xD. Mas ainda bem que são elogios :), se fosse outras coisas era pior.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar

Devaneios Lisboetas. Com tecnologia do Blogger.

Vamos devanear?

devaneioslisboetas@gmail.com

Acerca de mim

A minha foto
"Eu desejava dizer muitas coisas à rapariga que roubava livros, acerca de beleza e brutalidade. Mas o que podia eu dizer-lhe acerca dessas coisas que ela não soubesse já? Queria explicar-lhe que estou constantemente a sobrestimar e a subestimar a raça humana - que raramente me limito a estimá-la. Queria perguntar-lhe como podia a mesma coisa ser tão horrível e tão gloriosa, e as suas palavras e histórias tão nefandas e tão brilhantes", Mark Zusak em " A Rapariga que roubava livros"

Blogging.pt

Blog Portugal

A devanear comigo