14/04/15

Say "cheese"!

                                                           Penélope Cruz

Nunca fui muito pessoa de tirar fotos, acho sempre que fico mal: seja a minha expressão, uma madeixa de cabelo caída, a boca semi aberta, enfim.
Lembro-me que quando fui para Praga olhei de soslaio para a câmara da C. Eram cinco da madrugada, ainda no aeroporto de Lisboa à espera de embarcar, e a miúda saca da máquina para nos tirar uma foto. Estava demasiado sonolenta para protestar, por isso alinhei. Mesmo quando lá chegámos, vi inúmeros turistas a fazerem poses para a câmara e a usarem os famosos selfie sticks. Confesso que houve alturas da viagem em que começava a sentir uma certa preguiça de tirar a minha Canon - o facto de estar um frio de rachar e ter de tirar a minha querida luva para carregar no obturador também não me motivava muito - e, depois de me ter certificado pelo canto do olho que a C. já estava a registar os nossos momentos, deixei-me ficar quieta a observar aquela cidade envolta num manto de nevoeiro. Soube-me tão bem olhar para nada, mas ao mesmo  tempo... para tudo. Às vezes, olhava para a C. e ela simplesmente sorria-me, sem nada dizer. Fiz o mesmo, com o coração eternecido. 

Há uns meses atrás resolvi pôr em prática uma ideia que tinha desde os tempos de liceu. Comprei um quadro de cortiça, pioneses, fui imprimir algumas fotos e pendurei na parede do quarto. Não podia ter ficado mais satisfeita com o resultado porque aquele quadro acabou por se tornar num pedacinho de mim. Óbvio que as fotos de Praga também lá estão. Como diz o Miguel Sousa Tavares: "... quando guardam para sempre um instante que nunca se repetirá, as fotografias não mentem - esse instante existiu mesmo." 

1 comentário:

  1. Muito obrigada pelas palavras :) sem duvida que tens razão, tudo depende da maneira como vemos e reagimos perante as situações.

    ResponderEliminar

Devaneios Lisboetas. Com tecnologia do Blogger.

Vamos devanear?

devaneioslisboetas@gmail.com

Acerca de mim

A minha foto
"Eu desejava dizer muitas coisas à rapariga que roubava livros, acerca de beleza e brutalidade. Mas o que podia eu dizer-lhe acerca dessas coisas que ela não soubesse já? Queria explicar-lhe que estou constantemente a sobrestimar e a subestimar a raça humana - que raramente me limito a estimá-la. Queria perguntar-lhe como podia a mesma coisa ser tão horrível e tão gloriosa, e as suas palavras e histórias tão nefandas e tão brilhantes", Mark Zusak em " A Rapariga que roubava livros"

Blogues à mesa

Blogging.pt

Blog Portugal

A devanear comigo