10/06/15

Night out

Isto de sair à noite e não poder beber álcool tem muito que se lhe diga. Sabem, meus queridos, é que ser chinesa tem um pequeno preço a pagar: sou intolerante ao álcool. Agora estão vocês a pensar: "Portanto, és fraquinha, não tens resistência à coisa". Não. Basicamente, se beber não morro, mas fico super vermelha (não é só coradinha) no rosto, no peito, nas mãos até; o coração acelera como se estivesse a correr meia maratona e fico a escaldar. Para me sentir assim, prefiro ficar quieta e não beber. 
Ora há uns dias atrás fomos celebrar o facto da C. ter acabado o estágio. Tomámos um café no Princípe Real e seguimos para o Bairro. Confesso que gostei bastante do ambiente e do cheirinho a erva e de pararmos a cada dois passinhos para cumprimentar alguém conhecido. Entretanto senti o estômago a dar horas e acabei por dividir uma tosta de frango divinal com a C. Em pleno Bairro Alto. 
Antes de irmos para uma festa no Lx Factory - festa essa que me convenceram a ir - passámos por um último bar para beber um shot. Já estava a ver os copitos ali em fila e perguntei à rapariga que nos servia:
- A... não têm aqueles shots de fruta?
- Não. 
Talvez vendo o meu ar pouco convencido, pôs no meu copo sumo de ananás. Claro que houve alguém que não ficou muito satisfeito.
- O quê? Vais beber sumo? - perguntou-me a minha melhor amiga. 
- Sim, C. Está num copo de shot, não está? Então pronto, é um shot.


Pois, estão a ver aquele líquido amarelo? Era o meu sim. Ainda tive de ouvir:
- Vês? O nosso é muito mais giro, olha tantas cores. 
Próximo destino: Conga club, Lx Factory. Nunca pensei em me rir tanto naquele ambiente descontraído. Em cima do balcão dançava um travesti com umas pernas mais jeitosas que as minhas. Como o B. - um amigo da C. super querido - disse: só homens bonitos. Não podia concordar mais. No fim da noite, o T. levou-me até à rua e avistámos um táxi. Ele estendeu o braço e o carro parou. 
- Leve a menina a casa em segurança - disse ele. 
Sorri-lhe. Não nos vemos muitas vezes, mas sempre que nos encontramos é sempre um amor de pessoa. E sim, o taxista fez muito bem o seu trabalho.

5 comentários:

  1. Ao menos o teu shot era original :))
    Há pessoas que são genuinamente uns amores! Ainda bem que correu tudo pelo menor.

    r: Adoro aquelas carrinhas Pão de forma *.* postais nunca colecionei, mas há muitos bem giros, tenho que admitir.

    ResponderEliminar
  2. Por seres chinesa só podes beber shots de "fluta". Ahahah
    Estou a brincar. Ou a "blincale" eheheh
    Desculpa, esta ainda foi pior. :-)

    ResponderEliminar
  3. Realmente, ser alérgica ao alcool deve ser uma chatice.
    Especialmente naqueles dias em que apetece mesmo uma bebida para descontrair.
    Mas pelo menos tens shots originais!! :)

    ResponderEliminar
  4. Nunca tinha ouvido alguém dizer que é intolerante ao álcool mas isso realmente é um pouco chato, mas há intolerâncias piores não é verdade? :)

    ResponderEliminar
  5. quando formos sair os dois bebo um shot de fruta cntg, por vezes quem me dera ser intolerante ao alcool :P

    ResponderEliminar

Devaneios Lisboetas. Com tecnologia do Blogger.

Vamos devanear?

devaneioslisboetas@gmail.com

Acerca de mim

A minha foto
"Eu desejava dizer muitas coisas à rapariga que roubava livros, acerca de beleza e brutalidade. Mas o que podia eu dizer-lhe acerca dessas coisas que ela não soubesse já? Queria explicar-lhe que estou constantemente a sobrestimar e a subestimar a raça humana - que raramente me limito a estimá-la. Queria perguntar-lhe como podia a mesma coisa ser tão horrível e tão gloriosa, e as suas palavras e histórias tão nefandas e tão brilhantes", Mark Zusak em " A Rapariga que roubava livros"

Blogging.pt

Blog Portugal

A devanear comigo